Friday, November 30, 2012

ETICAMENTE CORRETO




Quando me refiro à questão eticamente correto, estou referindo-me na conciliação da fé e a razão, a primeira pertencente ao amor de Deus e a segunda na minha própria visão do que pode e o que não pode ser aceito por Ele para o aprimoramento da conduta moral do homem. Mas, às vezes eu realmente gostaria de entender o que passava na mente dos filósofos quando eles começaram a questionar a forma de como o homem pode viver no mundo respeitando o verdadeiro significado da ética ao impor padrões morais à vida, sendo que muitos deles foram criados pelo homem em nome de Deus e não por Deus, pois Ele deu ao homem a liberdade da consciência para que ele pudesse respeitar a si próprio e assim, alcançar a verdade que existe dentro dele.
A vida seria perfeita, se o que falássemos realmente pudesse ser posto em pratica, isso levaria o homem à perfeita consciência de praticar sempre bons atos em prol do seu próximo, pois a ética e a moral é o questionamento perfeito para retratar o caráter do homem nesse aspecto, mas ao mesmo tempo elas são complexas quando adentramos na forma como o homem pensa o mundo em que vive. Então vamos sair do que seria o ideal e entrar para realidade, onde o homem prega o valor do ato imposto pelo padrão, mas não o pratica no dia a dia. A partir desta linha de pensamento o homem poderia sim, repensar o ambiente em que vive e o tornando melhor, respeitando seus limites e os dos outros, não sendo perfeito, mas tomando atitudes imparciais e refletir sobre tudo.  
É inegável reconhecer, mas quando o homem toma consciência do que ele pode e o que não pode fazer sem estar amarrado aos questionamentos morais da sociedade, ele dá um passo para o conhecimento e a pratica da verdadeira libertação do pensamento do mundo em que vive, deixando-o assim melhor para as gerações futuras.

Se você quer mudar o mundo, experimente primeiro promover o seu aperfeiçoamento pessoal e realizar inovações no seu próprio interior” 
Dalai Lama
 

Sunday, November 18, 2012

CIDADE DA BORBOLETA



É dolorosa a metamorfose para uma borboleta, que nasce larva, depois vira lagarta, e logo seu pequeno corpo se envolta na crisálida. Esse também é o tempo que temos em nossa forma humana, pois nosso nascimento é muito doloroso, o estágio da nossa vida é o aprendizado, nossa crisálida é construída em volta do que ensinamos, mas assim como a borboleta, por mais que voemos bem alto, às vezes não é possível alcançar o céu.                                                                                 


Na simbologia a borboleta é representada de diversas formas, para alguns ela é o símbolo da rapidez e da inconstância, na psicanálise moderna ela é o símbolo do renascimento, em algumas culturas ela pode significar graciosidade e felicidade matrimonial, para outros, ela também pode ser comparada a um espírito voador que anunciam a morte, outro exemplo de símbolo é o ovo (crisálida) que simboliza a ressurreição. 

Em nosso tempo ninguém melhor do que Freddie Mercury para dar um novo significado a ela quando a descreveu na canção The Show Must Go On com a frase minha alma é pintada como as asas das borboletas”Mas o que importa isso?  O que acontece se o circulo é interrompido de forma brusca e violenta? Bom, essa é uma boa pergunta sim, antes de responder conversei comigo mesma e pensei “Se eu fosse Deus? O que eu faria?" Depois de muito meditar cheguei a seguinte conclusão: Nada! Para a humanidade foi dada o Don da escolha e somente a ela cabe fazer as escolhas e deixar que a borboleta continue a embelezar nosso jardim na terra, ou continuar com a estupidez de arrancar de sua crisálida a borboleta que está em transformação para a vida! Porque está escrito em uma das passagens bíblicas “vinde a mim os puros de coração, pois delas é o reino do céu”. 
Então cito as frases de reflexão que há nas letras das músicas da banda Queen, como exemplo dou novamente The Show Must Go On na parte que fala “de novo e de novo, alguém sabe pelo que nós estamos vivendo?. Volto atrás no tempo, exatamente nos anos 80, e observo a citação da canção em Innuendo. “enquanto nós vivermos de acordo com raça, cor ou credo. Enquanto nós formos comandados por loucura cega e ganância pura”.
Foto reprodução
Agora você pergunta-me: Que ligação há em tudo isso com o conflito recorrente de israelenses e palestinos? E eu respondo o seguinte: Nesse momento, liberta-se a borboleta do casulo vazio, escuro de transformação rumo a uma nova vida, ao verdadeiro céu.

                    Tudo neste mundo tem o seu tempo; cada coisa tem a sua ocasião.
Eclesiastes 3
                                                  


Sunday, October 28, 2012

ISSO É VIRTUAL?


TERRA DOS MENINOS PELADOS vem mostrar a importância da comunicação através do contato direto com a natureza, resgatando assim a referência da beleza do mundo real e o imaginário do contato humano entre as gerações, onde aquela, por assim dizer cansada de viver, encontra sua maneira de repassar as gerações novas, ainda inexperientes, mas cheias de vigor do valor da sabedoria de uma longa vida, que foi vivida e não apenas replicada pelo computador. O título “TERRA DOS MENINOS PELADOS” nasce dessa premissa, ou melhor, da nudez do homem sem a roupagem da sua alma singela e brejeira, e por que não dizer inocente, pura, perdida em algum momento entre o encantamento e desencantamento do mundo hoje pertencido somente às máquinas tecnológicas, estas por sua vez, frias e complexas que poucos sabem realmente seus mecanismos de funcionamento, posso ainda afirmar que não há lógica e não lógica de emoção e afeto. 
Produzir TERRA DOS MENINOS PELADOS com tema atual a partir de aspectos sociais e culturais, explorando de forma poética e exótica o comparativo da realidade urbana, interiorana, da fantasia e da preservação do homem imaterial. Este curta – metragem mostra a caracterização dos personagens, nos figurinos, na complexidade ao usarmos locações reais, no vai e vem frenético do cotidiano do dia a dia do grande centro e da vida simples das belezas naturais do interior do Amazonas que ainda é pouco explorado no cinema nacional. A estética visual do filme é carregada nas cores tendo como pano de fundo o verde da Amazônia que salta os olhos enquanto as imagens narradas são as lembranças vividas do personagem numa terra distante da sua realidade atual. A linguagem abordada é referência do homem urbano e do caboclo amazonense. O tema musical “Lamento de raça” do musico amazonense Emerson Maia é interpretada por Heloína Soares, o novo arranjo de autoria de Paulo Marinho é regida pelo Maestro Marcelo de Jesus da OCA. A partir da junção de ideias “Lamento de raça” ganhou a mistura da música clássica e moderna que pontua que somos brasileiros, independente de qual Região do país pertencemos.