Sunday, April 13, 2014

A DÚVIDA DO HOMEM


Muitas pessoas foram ao cinema com a esperança de ver a história do livro de Gênesis da escritura sagrada, porém, muitas delas saíram de lá indignadas por pensarem que o filme foi uma terrível afronta a Bíblia, a religião e a fé. Neste intervir podemos dizer que tal afirmação é a mais pura das inverdades, partindo do princípio que a Bíblia trás a passagem de Noé bem resumida, pois há estudos comprovados que o dilúvio tinha o significado simbólico do caos primitivo, sendo que muitas histórias foram inspiradas nas enchentes dos grandes rios, típico dos povos médio-orientais. 
Quanto à religião, o que se pode dizer sobre ela? Podemos dizer que é a instituição mais bem organizada do mundo e que congrega e organizar os ensinamentos básicos da vida e das leis de Deus, porque sem eles a desordem social seria definitivamente o fim da humanidade nesta terra. Mas e a fé? A fé é um estado individual pertencente a cada homem e por isso deve ser de livre árbitro desde que saiba discernir entre o bem e o mau.


“E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicará sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.” 
                               Gênesis 6:5



O filme indica pontos a serem discutidos e devem ser comparados tomando como base as passagens descritas no livro de Gênesis (1, 6-30, com 6,17 e 7,18-24) onde afirma que é através do justo que Deus começa uma nova criação. Essas passagens são interpretadas no filme como um pedido de Deus para que Noé salve apenas os animais por estes ainda permanecerem puros desde a criação do Éden, no entanto, este pensamento é uma ideologia do diretor por querer chamar a atenção do publico para questões ecológicas. 



 “Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra.”
                                                                Gênesis 6:13






O filme também trás um Noé que apesar da fé inabalável luta contra o ser tirano existente dentro de si mesmo quando entra em conflito com Deus do que é ou não é justo em seu coração trazendo a tona as dúvidas do homem. 

Algo que ainda deve ser observado no contexto do filme é a reafirmação do Deus do amor e da aniquilação dos impuros, mas que também protege através dos enigmas, no entanto, a maior verdade disso tudo é que precisamos retornar para Deus, nos desprender do velho e buscar o hoje, assim como devemos refletir sobre maldade e bondade, porque vivemos inundados em nossa própria insana vaidade que não é diferente do tempo do dilúvio. Portanto o filme “Noé” de Darren Aronofsky oferece uma releitura da reconstrução do Éden pela mão do homem com interferência divina e não mais uma adaptação bíblica como estamos acostumados a ver em outros filmes que abordam o tema bíblico.